SPFW: Maria Bonita

Gosto bastante do estilo da Maria Bonita: as roupas são minimalistas, sofisticadas e parecem ser confortáveis. Além disso, os temas que a estilista da marca, Danielle Jensen, costuma explorar, são muito interessantes.

Para o próximo verão, a marca trouxe a simplicidade e o rústico das fachadas de casas nordestinas. Dessa forma, puderam ser vistos tons terrosos que lembram barro e madeira, além de cores desbotadas que remetem à fachadas danificadas pela ação do tempo. Os tecidos possuem aspecto amassado e algumas roupas não tem acabamento na costura, propositalmente, para aparentar algo antigo, desgastado. Simples e bonito!

Fotos: FFW

Beijo,

Marina

Anúncios

Analisando Katy Perry

Recebi essa análise antropológica e profunda de meu amigo Ricardo, vulgo Guy LeSac, sobre  um dos figurinos de Katy Perry na premiação do  MTV Movie Awards. É pra levar na brincadeira, tá? hahahah

“Gente, hoje vamos falar da premiação mais (merecidamente?) subestimada do mundo pop depois do Grammy – isso mesmo, do MTV Movie Awards. Mais especificamente, do traje que causou mais reboliço nos sites de fofoca fashion: o da diva pop-rock Katy Perry.

Alguns dias antes do evento, a cantora revelou à imprensa que iria pelada à entrega de prêmios. Obviamente, muitos marmanjos babaram com a ideia. Mais interessante do que uma musa pop vestida é uma musa pop despida, como já provaram inúmeras vezes estrelas tipo Lily Allen, Christina Aguilera e Britney Spears.

É nesta última, aliás, que Katy Perry buscou inspiração para sua nudez estilizada – para tristeza dos adolescentes e alívio da conservadora sociedade ocidental. A ver:

Com seu look “bola de discoteca”, Katy Perry remete-nos à “roupa” (um tanto menos bufônica, é verdade) de Britney Spears no clipe “Toxic” – que, aliás, triunfou em chamar muita atenção na época.

Ainda que Britney, em seu deslumbramento pseudo-erótico, tenha sido mais bem sucedida do que Katy Perry, não podemos negar o esforço valioso desta na direção de tentar gerar polêmica. O que, afinal, era seu propósito confesso. Se, por um lado, em comparação à ex-teen idol Britney Spears, Katy tenha “pecado pelo excesso”, por outro, não devemos nos esquecer de que “Toxic” era um clipe e, portanto, eventuais “nip slips” (que fazem a felicidade da juventude) foram cortados na edição final. Katy Perry não podia se dar ao luxo de “editar-se” posteriormente – estava ali, ao vivo e em cores.

O que nos leva, finalmente, ao seu penteado. Poder-se-ia compará-lo ao de uma garota pin-up, tal qual Betty Page – o que certamente foi proposital –, pelo corte etc. Contudo, sua cor um tanto quanto vibrante referencia diversos desenhos japoneses que fizeram a alegria da criançada no final dos anos 90 e início dos 00.

O que é um tanto infantil, mas é justamente essa mistura de sedução e visual “Teen Choice Awards” que tem colocado Katy Perry no radar da moda (ou justamente fora deste) nos últimos anos.

Enfim, minha avaliação: foi um vestuário coerente. Se é cabível ou não, fica ao critério dos fãs.”

Beijo,

Marina

Fashion Rio com a C&A: Têca

Convidado pelo blog Tá na Vitrine, da C&A, tive a oportunidade de cobrir o desfile da Têca no último dia de Fashion Rio:

Para o verão, a estilista potiguar Helô Rocha resolveu homenagear sua terra natal, especificamente dos anos 40. Tomando esse tema como base, nos apresentou uma coleção repleta de sarjas, algodões, linhos, seda e algodão suíço. Com um toque artesanal, foi possível ver também rendas de bilro.

O contraste entre o feminino x masculino chamou atenção: Helô mesclou transparências com peças de pegada militar. Decotes, saias e shorts curtos, plissados, babados, laços e florais deram um toque suave ao desfile. Vestidos fluídos, macacões e macaquinhos confortáveis, saias e calças com cintura no lugar, além de blazer acinturado, fizeram parte da coleção.

A cartela de cores foi composta por tons de verde, caqui, laranja, off-white e branco. Os acessórios também chamaram a atenção, como as sandálias altas; brincos com vidrinhos cheios de glitter, referentes às garrafas artesanais com areia nordestinas; cintos e pulseiras.

Uma coleção delicada, com tecidos orgânicos,bonita cartela de cores e que promete ser sucesso na próxima estação.

Fotos: FFW

Obrigado à C&A pela oportunidade de cobrir o desfile.

Beijo,

Antonio

 

 

Fashion Rio: British Colony

Gosto muito do estilo da British Colony e fiquei feliz quando soube que a marca voltaria a desfilar no Fashion Rio.

Pra mim, a British Colony é uma das marcas que melhor traduz o “carioca way of life”, atualmente, de maneira cool, despojada e elegante. O que mais me atrai é justamente a forma como Maxime Perelmuter (estilista e dono da marca) trabalha o estilo de peças clássicas e básicas do guarda-roupa, reeditando-as e transformando-as em “novos clássicos”, como ele mesmo diz. Essa nova roupagem se dá por meio de modelagens interessantes e tecidos diferenciados, pequenos detalhes que fazem toda a diferença. E o mais legal é que tudo é muito clean e simples.

Para a coleção do próximo verão, a marca se inspirou na geometria, no tropical e no clássico. O que resultou em peças de modelagem desconstruída em alguns vestidos e camisas; e peças mais clássicas, de corte reto como blazers, coletes e calças, mas que se diferenciam pelos tecidos leves como o algodão e o linho, dando a sensação de conforto. O tropical apareceu em estampas de folhagens e listras.  Na cartela de cores, um perfeito mix: branco, bege, off-white, azul clarinho, coral e azul marinho.  Ah! Os sapatos oxford vazados de bico fino também eram lindos!

De maneira geral, a British Colony nos apresentou uma coleção harmoniosa, de bom gosto e elegância, que soube mixar muito bem o conceitual com o comercial. Na minha opinião, um dos melhores desfiles dessa temporada de Fashion Rio! :)

Assim como na coleção da Graça Ottoni, fica difícil escolher um look preferido. É tudo simplesmente LINDO!

FOTOS: FFW

Beijo,

Marina

Fashion Rio: Melk Z-Da e Filhas de Gaia

Não é surpresa nenhuma que o estilista pernambucano Melk Z-Da goste de experimentar materiais alternativos. No último desfile já havia encantado e nesta temporada só confirma a admiração ao trabalhar com tapete de banheiro e jogos americanos. Com uma coleção inspirada nas danças nordestinas, ele desenvolveu bons trabalhos com volumes, transparências e texturas. Contrário ao tema, o branco predominou, com leves toques de cores neon (que não desviam a atenção) e vermelho.

A mistura de tecidos também valorizou seu trabalho: uniu tecidos nobres, como a seda, a materiais alternativos. Em relação às peças, os vestidos tomam conta, ora recortados, ora decotados. (Mais) Um belo trabalho!

Já a marca Filhas de Gaia, nos apresentou um desfile em um cenário de jardim, remetendo à infância, com direito a estampa de cupcakes e insetos enfeitando peças de roupa, reforçando o tema lúdico da coleção. O vestido com o quadril estruturado se mantém, a bermuda ciclista aparece, mas o forte da marca são os vestidos assimétricos, drapeados, curtos, com transparência e decotes. A mistura de texturas dá certo e o corselet surge como novidade.

As estampas predominam com cores claras como beges,azuis e rosas. Já o azul royal aparece para dar um toque especial ao desfile. Uma coleção com atmosfera lúdica e ao mesmo tempo, com um toque de sensualidade.

Fotos: Chic

Beijo,

Antonio